5.8.11

Descompasso entre realidade e políticas públicas.

        Uma avaliação sobre o consumo de drogas no Brasil revela um grande descompasso entre a legislação, políticas públicas e os problemas reais de saúde da população brasileira. Nas últimas décadas, as poucas mudanças no do consumo de drogas psicotrópicas foram para pior, especialmente no que se refere ao aumento no consumo de drogas ilícitas (maconha e cocaína). Esse quadro mostra que as medidas adotadas nos últimos anos não tiveram a eficácia esperada. É essencial, portanto, estudar formas alternativas de se lidar com essa questão. Vários países vêm buscando soluções, mas até o momento nenhum parece ter atingido plenamente a meta pretendida.

As experiências melhor sucedidas são em geral resultado da combinação de múltiplas intervenções, de modo coordenado e adequadas às características específicas da população-alvo. Um programa elaborado para adolescentes de classe média, por exemplo, provavelmente não será eficaz se aplicado a uma população mais velha ou a crianças moradoras de rua. Não existem, portanto, "fórmulas mágicas" ou universais. Fonte: Ciência Hoje.

    “Sem dúvida, um projeto de combate as drogas destinado a usuários adolescentes de classe média, não terá a mesma eficácia quando focado a adolescentes moradores de rua (ou paras outras categorias), para estes, a questão envolve também a questão socioeconômico familiar, onde a comunidade, profissionais e empresas, são atores do maior importância para reabilitação e reintegração destes adolescentes à sociedade”.

5 comentários:

  1. te invito en mi blog para escuchar mi musica... :)

    ResponderEliminar
  2. Sí, lo estoy siguiendo y escuchando su música. También sería un placer que me sigue!
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  3. Maria Marçal10.8.11

    Boa noite, Batista.Prazer.

    Quando faleceu a cantora Amy Winehouse pus em meu Blog que pessoas de que transformam o mundo através de seu trabalho ao falecer pelas drogas se tornam ignorantes na minha concepção.

    Nesse caso e outros não se trata de atender ao problema de acordo com sua Classe Social, Batista... É muito além disso. A linguagem da droga é universal e se combate com assistência por parte do governo,do exército que é ocioso aguardando por uma guerra que já existe ou mesmo pela criação de uma Pasta que efetivamente destitua os poderosos da droga de suas funções de produtor, explorador, distribuidor.

    Assim que penso, querido.

    beijos e adorei teu Blog.
    Obrigada por estares comigo no Maturidade.

    Maria Marçal - Porto Alegre - RS

    ResponderEliminar
  4. Bom dia, Maria Marçal.

    Defendo que um projeto para uma determinada classe social e comunidade, não terá a mesma eficácia quando focado em outra comunidade, e classe social. Bem pouco tempo desenvolvi um projeto para adolescentes moradores de rua, onde a temática envolvia participação da família e bolsa de apoio aos menores e família. Para outra classe social ou região os procedimentos seriam outros. Maria Marçal, você está correta! A droga é um problema universal que espera do governo ações com resultados satisfatórios. Porém o terceiro setor, nós como cidadãos temos a obrigação de colaborar com o governo, no sentido de extirpar esse terrível mal que destro a família.

    Obrigado pela colaboração.
    Bjs.

    ResponderEliminar
  5. Caro Batista, prezado! Muito bom saber tua preocupação e divulgá-la como vens fazendo!!! Uma aula que deverá esclarecer as pessoas e fazê-las assumirem atitudes antidrogas e reduzirem a condescendência!!! Um bom abraço

    ResponderEliminar