28.5.12

Lula mergulha na lama da corrupção

Imagem ilustrativa

A revista Veja desta semana traz reportagem sobre as "andanças" do ex-presidente Lula para tentar apagar da história do Brasil o maior caso de corrupção no governo --- exatamente durante seu primeiro mandato.

Lula prometeu, segundo a revista, "blindar" o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes na CPI do Cachoeira no Congresso Nacional. Em troca, o ministro deveria se esforçar para adiar o julgamento do mensalão no STF, que deverá acontecer neste ano.

Lula constrangeu o ministro no escritório de outro ex-presidente do STF e ex-ministro da Defesa Nelson Jobim (PMDB), no mês passado.

A "blindagem" que Lula ofereceu é porque ele considera-se o mandachuva da CPI do Cachoeira e poderia evitar que o ministro Gilmar Mendes seja investigado por conta de uma viagem à Alemanha.

Lula teria perguntado a Gilmar Mendes: "E a viagem a Berlim?". O ex-presidente já estava insinuando que o ministro do STF poderia se enrolar na CPI do Cachoeira porque teria ido à Alemanha na companhia do senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), às custas do contraventor Carlinhos Cachoeira, que está preso num presídio em Brasília.

Lula já havia se movimentado para abordar o próprio presidente do STF, ministro Ayres Britto, para adiar o julgamento do mensalão. A estratégia é fazer com que os crimes prescrevam.

Lula indicou seis dos atuais onze ministros do STF que julgarão os 36 réus do mensalão, inclusive o ex-homem forte do governo Lula e considerado pela Procuradoria da República como "chefe de organização criminosa", o deputado cassado José Dirceu (PT).

Há muita gente que considera Lula um "animal político". Parece que o homem é mesmo animalesco na defesa dos envolvidos em corrupção, como os 36 companheiros considerados réus no mensalão.

Como estrategista, Lula está falhando. Patrocinou uma CPI mista para detonar a oposição, mas deverá prejudicar o governo que ainda é seu, na figura da ex-guerrilheira Dilma Rousseff.

Em tempo: a história foi, depois, confirmada por Gilmar Mendes a outros veículos de comunicação como Folha de S. Paulo e o Globo.

O ministro do STF Celso de Mello afirmou que se ainda fosse presidente, Lula seria passível de impeachment.

As "articulações" Lula para pressionar ministros do STF estão tendo efeito contrário. Irritou os ministros do Supremo e deu munição à oposição.

E exatamente ao partido que Lula e os petistas queriam atingir, o PSDB, por causa do envolvimento do governador de Goiás, o tucano Marconi Perillo, com a quadrilha de Carlinhos Cachoeira.

O PSDB estuda medidas contra o ex-presidente da República. Ficou claro que Lula quer usar toda a influência que ainda possui para interferir nas decisões da mais alta corte do país para livrar de condenação os companheiros de corrupção.
Inclusive constranger ministros do STF.

SRZD - Valdeci / Batista Santos.

Sem comentários:

Enviar um comentário