24.7.12

Estiagem prejudica cerca de 8 milhões de pessoas no Nordeste


Em algumas regiões, não chove regularmente desde setembro de 2011.
 O Ministério da Integração Nacional (MI) estima que cerca de 8 milhões de pessoas sofrem com a falta de chuva na região Nordeste. Desde setembro de 2011, não chove regularmente na região e meteorologistas já consideram esta como a pior seca dos últimos 30 anos.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), há possibilidade de chuva em algumas regiões do Nordeste, principalmente no litoral. Mesmo assim, as precipitações não serão suficientes para amenizar a situação. As temperaturas devem variar de 12 graus Celsius (ºC) a 37 ºC.

A Secretaria Nacional da Defesa Civil informou que 1.209 municípios já decretaram situação de emergência na Região Nordeste.

Balanço levantado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em 5 de julho aponta queda de 80% na produção de milho e feijão na região do semiárido.

No começo do ano, o governo federal anunciou um pacote de R$ 2,7 bilhões para enfrentamento à estiagem. Desse total, R$ 200 milhões é destinado ao pagamento do Bolsa Estiagem, programa voltado aos pequenos agricultores, e R$ 500 milhões para o Garantia-Safra. Foram recuperados ainda, 2.400 poços artesianos ao custo de R$ 60 milhões. Para a Operação Carro-Pipa, foram destinados R$164 milhões, o que benefíciou mais de 2 milhões de pessoas.

Ig

Apesar da seca, regiões do Piauí desperdiçam água de poços.

”Aqui, na nossa região, em todo lugar quem perfurar um poço com 100, 200, 180 metros, jorra 60, 70 mil litros de água por hora”, conta o comerciante Antônio José Guimarães.

Uma riqueza natural tratada com descaso na região. No município de Cristino Castro dezenas de poços jorram sem parar. Alguns abastecem piscinas de restaurantes e hotéis, outros não servem para nada.

A vazão de um único poço é de um milhão de litros de água por hora. O que é desperdiçado no local seria suficiente para abastecer 13 cidades com 10 mil habitantes cada.

E é exatamente essa a população do município de Caracol, na mesma região, onde todos sofrem com a falta d’ água. O abastecimento na cidade é racionado.

No campo, açudes secaram e os moradores dividem a pouca água que ainda resta com os animais.

Em outras localidades, animais estão morrendo no pasto e falta alimento também para os agricultores que perderam toda a lavoura.

“Quando a comida é pouca, que eu veja que dá só para os meus filhos, eu dou para eles e se sobrar para mim bem, se não dou só para eles”, fala uma moradora.

O Serviço Geológico do Brasil informou que já existe um projeto, aprovado pelo Ministério da Integração Nacional, que prevê o aproveitamento da reserva subterrânea do Vale do Gurguéia. A água seria canalizada e distribuída para 51 municípios da região mais atingida pela seca no Piauí.

G1





2 comentários:

  1. Adoro blogs com informações publicas .
    virei seu leitor...

    Fica na paz !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom! Se nós brasileiros, participássemos e cobrássemos das decisões tomadas pelos políticos em políticas públicas, não teríamos um índice alarmante de CORRUPÇÃO. Sendo assim, PAGAMOS CARO por nossa omissão.
      Abraço.

      Eliminar