31.12.12

Chico Leitoa diz que a "transição” foi de araque.

                                                                              Imagem: Divulgação

"A prefeita de Timon, Socorro Waquim (PMDB), embora no apagar das luzes de sua malfadada gestão de 2005 a 2012, ainda não respondeu às diversas solicitações de informações e documentos pedidos pela equipe de transição do prefeito diplomado Luciano Leitoa (PSB). Por conta disso, a equipe de transição tem procurado outras fontes de informações que lhe permita conhecer a situação da municipalidade timonense, caracterizando baixo índice de transparência, apesar dos três anos de existência e vigência da Lei da Transparência Nacional, a LC 131/2009. Isto quer dizer que mostra a enorme distância entre o discurso de colaboração e a tentativa real de dificultar a vida da nova gestão a partir de 1º de janeiro de 2013.”

Pelo menos esse foi o desabafo feito na manhã desta segunda-feira (31) pelo ex-prefeito e ex-deputado estadual Chico Leitoa (PDT), pai do novo prefeito Luciano Leitoa (PSB), ao participar por telefone do programa Jornal dos Cocais, da Rádio Timon FM 87,9, apresentado pelos intrépidos Leal Filho e Leite, argumentando que a tão propalada “transição” foi de araque considerada zero e que a prefeita Socorro Waquim passou oito anos administrando os recursos e, consequentemente, esqueceu das obrigações, deveres e responsabilidades de sua gestão. “A equipe de transição representando o futuro governo de Luciano Leitoa cumpriu 100% de suas obrigações, enquanto a de Socorro Waquim descumpriu quase 100% do acordo feito na presença de representantes do Ministério Público do Estado – MPE, numa clara falta de coerência e respeito à Lei da Transparência Nacional. Pelo acordo, Luciano Leitoa evitaria dar entrevistas polêmicas e não incitar a população contra o atual governo municipal e isso foi cumprido a rigor”, disse Chico Leitoa, em tom magoado com a triste realidade que se encontra hoje o município de Timon.

Chico Leitoa lembrou que ao deixar o governo em 2005 saiu pela porta da frente, mas, talvez a atual gestora Socorro Waquim não tenha a mesma coragem devido ao caos que submeteu a população timonense e, em particular, os servidores públicos municipais que ficaram sem receber seus salários. Ele citou que a secretária Municipal de Educação, Suely Almeida Mendes, irmã da prefeita Socorro Waquim perdeu o controle e noção de quantos funcionários estão na folha de pagamento, deixando transparecer um governo sem rumo. 


Sem comentários:

Enviar um comentário