7.2.13

O poeta

Robinho, quarto da esquerda para a direita, com Renan (reprodução)
Por Lauro Jardim

Renan Calheiros não pode se queixar de falta de amparo. Nem as 400 000 ass
inaturas no manifesto contra a sua volta à presidência do Senado (Leia mais em: 400 000 assinaturas) fazem frente à inspiração do seu irmão, Robson Calheiros.

Robinho, como é conhecido, postou no Facebook um “poema” – com todas as aspas existentes no teclado… – comemorando a eleição de Renan e, claro, vomitando barbaridades.

O texto do poeta das Alagoas Robinho Calheiros fala por si só:

Hoje saiu dos meus ombros essa cruz/Para tirar do meu peito esse catarro/Nessa imprensa fétida escarro/Jornalistas, hipócritas, urubus/Se espremer essa corja só sai pus/O senador deu o troco alvissareiro/Tá de volta mostrando que é guerreiro/Competente, leal, tem brilho e luz/Deu a volta por cima enfim conduz/Os destinos do congresso brasileiro

Como se vê, não faltam talento e criatividade ao clã Calheiros. Mas a manifestação de lealdade familiar não para nos versos. Mais uma vez seguindo a estratégia de José Dirceu, em outro post, Robinho descasca Roberto Gurgel.

Obviamente, os comentários de felicitações aos irmãos são um caso à parte. Em um deles, a leitora manda: “Ele (Renan) está de volta pra onde não deveria ter saído. Se voltou é porque todos reconhecem que ali é seu lugar”.

Nem todos, nem todos…

(veja)

Sem comentários:

Enviar um comentário