1.2.13

Taques disse que Senado elege Renan com 'silêncio dos covardes'

Erich Decat, Gabriela Guerrero e Andreza Matais (Folha)

Candidato da oposição a presidente do Senado, Pedro Taques (PDT-MT) disse, em seu discurso, que a eleição do favorito Renan Calheiros (PMDB-AL) acontece em meio ao “silêncio dos covardes”.

Taques e os covardes

A declaração foi dada ao final de sua fala nesta sexta-feira (1º), quando houve um momento de breve silêncio.

“Eu peço o voto de cada senador. Peço silêncio aos senhores. Ouçam esse silêncio. Esse silêncio é o silêncio do covarde. É o silêncio de quem [...]
tem medo. Sintam esse silêncio. Esse é o silêncio de quem aceita, de quem não resiste. Expresso a vossa excelência, senador Renan Calheiros, meus respeitos pessoais”, afirmou o senador.

No seu discurso, Taques disse também que é um “titular da perda anunciada”. “É como um perdedor que ocupo esta tribuna. Venho como alguém a quem a derrota corteja”, disse o pedetista que tem o apoio de integrantes da oposição e do PSB.

Ele se definiu como um “anticandidato” e defendeu que a Casa não volte a um passado se tornando um “puxadinho do Poder Executivo”.

“Eu, anunciado como perdedor, comprometo-me perante meus pares e perante todo o país a impugnar estes exageros do Poder Executivo. Será que o anunciado vencedor [Renan Calheiros] pode fazer idêntica promessa?”, afirmou Taques.

Sem citar diretamente as denúncias contra Renan apresentadas pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel, ao Supremo Tribunal Federal, disse Taques: “Não temo o próprio passado e portanto, não tenho medo do futuro”.

PECULATO

Segundo o procurador Gurgel, o Renan apresentou notas frias para justificar gastos de sua verba indenizatória, o que comprovaria o desvio dos recursos público e caracterizaria o crime de peculato, cuja pena varia de 2 a 12 anos de prisão.

O episódio, ocorrido em 2007, fez Renan renunciar à presidência do Senado para evitar a cassação.

“O peculato está relacionado à verba de representação, cuja utilização tem que ser comprovada e, no caso, foi comprovada com a utilização de notas frias. Então a apropriação [indevida] desses recursos ficou comprovada”, disse Gurgel, ao sair do STF, após participar da cerimônia de abertura do ano no Poder Judiciário.

(Tribuna da Imprensa)

2 comentários:

  1. Oi mano, tudo bem!
    Por várias e várias gerações o Brasil não terá futuro político pois o futuro que nos aguarda é o mesmo de hoje e de ontem, repugnante, vergonhoso e cruel. O Brasil é um país dos desiguais e os nossos governantes não governam para todos. Nossa justiça é uma grande decepção, é igual a maioria dos nossos governantes pois, foram criadas por eles.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Mano!
      Pois é mano, a política partidária tem dessas coisas, ganha aquele que forma um grupo maior de apoio, e para isto, vale a melhor estratégica, sem olhar para o lado sujo, o que “importa” é que esta estratégia eleja o seu líder, sem olhar suas falcatruas, é o oba, oba, onde todos estão no mesmo nível da sujeira - o que importa é o poder! – Poder quer termina causando a famigerada corrupção na Administração Pública.
      O Brasil não pode retroceder, temos avançado nas políticas públicas, e podemos conseguir bem mais se ficamos ligados até mesmo, no “silêncio dos covardes”, como fala Taques.

      Um abraço.

      Eliminar