5.3.13

Veja a repercussão da morte de Hugo Chávez no Brasil e no mundo

O presidente da Venezuela morreu aos 58 anos, nesta terça-feira (5). Chávez lutava contra um câncer desde junho de 2011.
              Do G1, em São Paulo e Brasília
                                                         
 Políticos, artistas e personalidades do Brasil e do mundo comentaram a morte do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ocorrida nesta terça-feira (5). Chávez morreu aos 58 anos na capital do país, Caracas.

A morte ocorreu às 16h25 locais (17h55 de Brasília), segundo o vice-presidente Nicolás Maduro, herdeiro político de Chávez, que fez o anúncio em um pronunciamento ao vivo na TV.

A presidente brasileira Dilma Rousseff fez uma fala em homenagem ao presidente da Venezuela. Ela disse que a morte deve "encher de tristeza" todos os latino-americanos e que Chávez era uma "liderança comprometida com seu país e com o desenvolvimento" da América Latina.
"Em muitas ocasiões o governo brasileiro não concordou integralmente com Hugo Chávez. Porém, hoje, como sempre, reconhecemos nele uma grande liderança, uma perda irreparável e sobretudo, um amigo do Brasil, um amigo do povo brasileiro", afirmou Dilma.
O presidente dos EUA, Barack Obama, disse que os EUA estão interessados em começar um "novo relacionamento" com a Venezuela, após a morte do presidente Hugo Chávez, anunciada pouco antes.
"Nesse momento desafiador da morte do presidente Hugo Chávez, os Estados Unidos reafirmam seu apoio ao povo venezuelano e seu interesse em construir um relacionamento construtivo com o governo venezuelano", disse Obama em comunicado.
"Quando a Venezuela começa um novo capítulo em sua história, os EUA permanecem comprometidos com políticas que promovam os princípios democráticos, o primado da lei, e o respeito aos direitos humanos", acrescentou o americano.
O secretário britânico das Relações Exteriores, William Hague, expressou sua "tristeza" pela morte do presidente venezuelano Hugo Chávez e disse que ele deixou uma "marca profunda" em seu povo. "Fiquei triste em saber da morte do presidente Hugo Chávez hoje", afirmou Hague em um comunicado. "Como presidente da Venezuela durante 14 anos, deixou uma profunda marca no país e além".
O líder oposicionista venezuelano, Henrique Caprilespublicou no Twitter uma mensagem em tom conciliador: "Advogamos pela unidade dos venezuelanos neste momento". "Em momentos difíceis devemos demonstrar nosso profundo amor e respeito a nossa Venezuela! Unidade da família venezuelana!", escreveu, em outro post.
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, enviou condolências à população venezuelana após saber da morte do presidente do país. "Quero enviar minhas mais sentidas condolências à família do presidente Chávez, assim como ao povo e ao governo da Venezuela", disse ele à imprensa.
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva divulgou nota lamentando a morte do venezuelano, em que diz ter muito orgulho de ter convivido com ele. "Eu me solidarizo com o povo venezuelano, com os familiares e correligionários de Chávez, neste dia tão triste, mas tenho a confiança de que seu exemplo de amor à pátria e sua dedicação à causa dos menos favorecidos continuarão iluminando o futuro da Venezuela", afirmou.
A escritora e blogueira cubana Yoani Sánchez comentou no Twitter ter recebido a notícia sobre a morte de Chávez por uma mensagem de celular enviada pelo marido.
O vice-presidente argentino, Amado Boudou, disse haver uma "grande dor em toda a América" pela morte. "Há grande dor em toda a América. Partiu um dos melhores. Até sempre, comandante: Junto a Néstor [Kirchner, presidente argentino falecido] nos guiarão à vitória dos povos", escreveu ele no Twitter.
O presidente do Senado brasileiro, Renan Calheiros, divulgou nota de condolências a familiares, ao povo e ao Parlamento venezuelano. "Seu relevante papel no quadro venezuelano e regional e sua grande amizade pelo Brasil marcaram sua gestão à frente do Governo da República Bolivariana da Venezuela", acrescentou.  "Neste momento de dor e de pesar, o povo da Venezuela conta com a plena solidariedade do povo brasileiro, representado no Congresso Nacional".
O líder do governo no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM), também lamentou a morte de Chávez. “Quero prestar minha solidariedade ao povo da Venezuela e à família do presidente Hugo Chávez. Quando era governador, tive a oportunidade de recepcioná-lo inúmeras vezes no estado do Amazonas. O relacionamento do povo do Amazonas com o povo da Venezuela é o melhor possível.”
O senador Roberto Requião (PMDB-PR) comentou o ocorrido: "Sinto a morte do presidente dos venezuelanos", lamentou ele em seu perfil no Twitter. "Que viva a Venezuela com sua força e seu exemplo."
O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP), por sua vez, disse que "Chávez inaugurou na América Latina um contraponto necessário, que faz com que nós reflitamos sobre a própria Amperica Latina. Ele direcionou os recursos do petróleo, principal riqueza da Venezuela, para benefícios sociais para seu povo. E é por isso que o povo venezuelano o conduziu à presidência três vezes e derrotou uma possibilidade de revogação popular de mandato".
O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) ofereceu condolências aos habitantes do país. "Nossas condolências ao povo venezuelano pelo falecimento do presidente Hugo Chávez", escreveu ele no Twitter.

O senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) afirmou que o presidente venezuelano “merece respeito”. “Hugo Chávez refere-se a uma história importante que o povo venezuelano viveu nos últimos 20 anos. É uma história que merece respeito, em que um líder revolucionário chegou ao poder. Socializou os bens de consumo, deu à Venezuela um estágio de ascensão social importante. Foi contestado como todos os líderes importantes da América Latina e foi vítima de um processo que corrói o organismo humano.”

O senador Walter Pinheiro (PT/BA) mostrou preocupação com o processo político no país vizinho: "É um país que vive uma turbulência do processo eleitoral. Essa perda abre um fosso institucional, e isso não é bom para a América Latina nem para a Venezuela"
O deputado André Vargas (PT-PR) afirmou que Chávez era um “estadista”. “Uma liderança política que marcou história na Venezuela. Colocou milhares de venezuelanos na faixa de consumo. Lamento o falecimento e torço para que a Venezuela possa entrar em uma rota de eleições, como tem acontecido. Por mais que critiquem, a Venezuela é um dos lugares que mais tem eleições da América do Sul. Espero que o projeto dele continue, com respeito à oposição venezuelana.”
O ator José de Abreu e o músico Lobão também comentaram a notícia, com mensagens nas redes sociais informando sobre a morte. O cantor paulistano escreveu em seu Twitter: "Chávez está morto".
Deputada federal pelo PCdoB do Rio Grande do Sul, Manuela D'Ávila prestou solidariedade ao povo do país via Twitter. "Morreu Chávez. Minha solidariedade ao povo venezuelano. Que todo o processo de eleição e transição seja marcado pelo respeito e paz, sem golpismo."


Sem comentários:

Enviar um comentário