30.7.13

VALDECI CAVALCANTE: 'Vamos parar de pagar impostos'

'VOU ORGANIZAR UMA REVOLUÇÃO EMPRESARIAL, isso vai dar o recado e terá retorno'

Advogado e empresário Valdeci Cavalcanti
"Queremos propor até o mês de janeiro uma revolta empresarial. Vamos parar de pagar os impostos do Governo Estadual". Esta frase não estava em cartazes das manifestações populares de junho, mas promete dar dor de cabeça ao Governo do Piauí. Ela foi dita pelo advogado e empresário Valdeci Cavalcante, durante sua participação no programa Revista da Manhã, da Teresina FM.
Na manhã desta desta terça-feira (30) o jornalista Tony Rodrigues entrevistava o presidente da Associação Piauiense dos Merceeiros, Milton Carvalho. Estava em pauta a "insegurança" pública. Carvalho falava que os merceeiros do Piauí estão trabalhando "atrás das grades", uma vez que não podem deixar as portas de suas mercearias e comércios abertas.
Carvalho convocava os merceeiros e empresários a registrar as ocorrências de roubos, pois o Governo do Estado estaria divulgando números subestimados referentes a este problema. "Temos que registrar as ocorrências, ou do contrário não podemos reivindicar nossos direitos. Os números que a Secretaria de Segurança divulga não condiz com a verdade. precisamos dos números verdadeiros para reivindicar", comentava Milton Carvalho.
Em determinado momento da entrevista, foi aberta a participação popular. Ao telefone, Valdeci Cavalcante, presidente da Federação do Comércio do Piauí. Ele foi direto ao assunto. "A classe empresarial é desprestigiada. Em qualquer evento do estado, se houver um ex-deputado, um vereador, qualquer tipo de político, ele é chamado para a mesa de honra do evento. Empresários não. São deixados de lado, não são nem mencionados e isso mostra como essa classe é tratada", alegou Cavalcanti.
Valdeci continuou disparando contra o Governo e disse que está organizando uma "revolução empresarial". "Vamos parar de pagar os impostos. O máximo que pode acontecer é depois termos que pagar algum tipo de multa, mas isso vai dar o recado, isso vai ter retorno, já vai valer a pena", acrescentou.
ENTREVISTA PARA A TV ANTENA 10Valdeci Cavalcante foi entrevistado também pela TV Antena 10. Falando sobre a proposta de revolução empresarial, reafirmou que os Governos Federal, Estadual e Prefeituras só entendem o recado do empresário quando acaba o dinheiro. O Governo é gastador. Os políticos só sabem gastar dinheiro. Não sabem como ganhar dinheiro. Quem produz é o empresário. É o empresário que emprega, que faz a economia circular e quem dá dinheiro ao governo por meio dos impostos. Sem o empresário, o Governo não tem dinheiro", explicou o presidente da Fecormércio.
Na visão do empresário, o Brasil é governado pelo "marqueteiro" da presidenta Dilma Rousseff. "Digo isso porque só estamos vendo propaganda. Os programas [de transferência de renda] do Governo são uma prova disso. O Governo diz que tirou milhões de pessoas da miséria. Mas quem depende de Bolsa Família, continua miserável, pois sem o benefício a pessoa não tem nada", completa.
O presidente da Fecomércio falou ainda que os governos criaram a idéia de que a classe empresarial depende do setor público, mas a verdade é exatamente o oposto. "Sem o dinheiro produzido pelo empresário não tem dinheiro no Governo. Nós financiamos o setor público. Por isso digo que temos que mostrar isso da maneira mais clara possível. E isso acontece quando não pagamos impostos", considera. Nesse caso, os empresários ainda iriam exigir a isenção de multas no caso de pagarem os impostos atrasados. Em uma situação extrema, o movimento empresarial poderia pregar a suspensão de compras de produtos e serviços no estado, para atingir a arrecadação de ICMS na fonte. Isso poderia levar a um desabastecimento capaz de diminuir o consumo, diminuindo o fluxo do caixa do governo.

(180graus)

Sem comentários:

Enviar um comentário