30.10.13

Sindicato quer prisão de Firmino e Montezuma por desrespeitar liminar

Firmino declarou recentemente que não irá negociar com a categoria que pede saída do secretário

O Sindicato dos Professores de Teresina declarou ‘guerra’ contra o prefeito Firmino Filho e o secretário municipal de Educação, Kleber Montezuma. Na manhã desta quarta-feira (30/10), eles estiveram reunidos com a presidente do TJ-Tribunal de Justiça do Piauí, Eulália Pinheiro, para pedir o cumprimento da liminar concedida à categoria que obriga o município a cumprir a reivindicação de máximo de 26 aulas de 50 minutos cada.

O presidente do Sindicato, Sinésio Soares, garante que caso a liminar não seja cumprida, os professores irão pedir a prisão de Firmino e de Montezuma. ‘O prefeito e o secretário têm ido a mídia e feito várias declarações agressivas contra o sindicato. Mas os professores não vão se amedrontar. Se eles não cumprirem a determinação da Justiça devem responder por isso. Nós vamos pedir a prisão dos dois”, disse.

Os professores questionam os motivos que levaram a prefeitura a não pedir a ilegalidade da greve. “Uma administração tão truculenta quanto essa do Firmino já deveria ter pedido a ilegalidade do movimento. Mas eles não fizeram isso porque eles sabem que eles é que estão na ilegalidade já que não cumpriram a liminar da Justiça”, disse.

O prefeito Firmino declarou recentemente que não irá negociar com a categoria que tem como principal reivindicação a saída do secretários do cargo. “Um movimento que tem como principal reivindicação a saída de um secretário não merece nossa atenção. A greve é hoje mais do sindicato. A maioria das escolas funcionam normalmente”, garantiu.

Sinésio reagiu às declarações do prefeito e negou que a proximidade da disputa eleitoral pela presidência do sindicato seja um dos motivos da greve. “Isso é um grande absurdo. Nossa chapa é a mais prejudicada com a greve. Em vez de estarmos pedindo voto, estamos é na Câmara e nas escolhas defendendo o movimento de greve. Seria muito melhor se nós estivéssemos trabalhando por votos e não pelo movimento”, garantiu.
Uma comissão de vereadores da Câmara de Teresina foi nesta manhã ao Tribunal de Justiça do Piauí para uma reunião com a presidente da Corte, desembargadora Eulália Maria Pinheiro, para solicitar que o Poder Judiciário interceda para que a categoria dos professores da rede municipal e a Secretaria de Educação de Teresina cheguem a um consenso, no sentido de por fim à greve iniciada no final de setembro. A comissão que se reuniu com Eulália foi composta pelos vereadores Edilberto Borges Dudu (PT), Paulo Roberto da Iluminação (PTB) e Rodrigo Martins (PSB).
Fonte:180graus

Sem comentários:

Enviar um comentário