1.3.14

DERROTADA, VEJA ENTRA NA QUARTA-FEIRA DE CINZAS

247 – Com uma charge de José Dirceu, José Genoino e Delubio Soares, em clima de carnaval, com a chamada “Quanto riso, oh! Quanta alegria”, a revista Veja deste final de semana ironiza a decisão do STF sobre a votação do último embargo infringente da AP 470.
A publicação, que foi a mais engajada pela condenação ao longo do julgamento, diz que a Corte deu sinal verde para a “quadrilha” petista e joga nos “ministros novatos” Luís Roberto Barroso e Teori Zavascki a responsabilidade pela reviravolta.
Por 6 votos a 5, o STF derrubou as condenações de oito réus por formação de quadrilha no processo do chamado “mensalão”. José Dirceu e Delúbio Soares foram os dois
principais beneficiados pela absolvição. Na teoria, deixam de cumprir pena em regime inicialmente fechado e ganham o direito ao regime semiaberto, no qual podem trabalhar fora do presídio se forem autorizados pela Justiça.
Assim como fez o presidente da Corte, Joaquim Barbosa, na falta de argumentos contra uma decisão legítima, a revista Veja tenta politizar a votação. A reportagem de Daniel Pereira sugere que o resultado foi influenciado pela presidente Dilma Rousseff, que indiciou os “novatos” para o cargo. “O PT venceu as batalhas iniciais do processo, postergando o início de sua votação, o que foi decisivo para a mudança da composição do STF. Agora, ganhou a última batalha relevante, com seus antigos dirigentes assegurando o direito de deixar o cárcere a partir de agosto”, diz.
Além disso zomba de milhares de pessoas pelo Brasil que fizeram doações para ajudar petistas a pagar suas multas no STF, dizendo que, mesmo presos, Dirceu, Delúbio e Genoíno enriqueceram mais de R$ 2 milhões: “Não é piada de salão: acumularam patrimônio na cadeia”.
Insiste ainda em regalias aos condenados, dizendo que Dirceu transformou a biblioteca da Papuda em seu escritório. Essas irregularidades não foram provadas e até foram descartadas pelo presidente da OAB. Mesmo assim, serviram como arma para o juiz Bruno Ribeiro, que é filho de um dirigente do PSDB e ligado a Joaquim Barbosa, continuar sua perseguição aos petistas: no mesmo dia da decisão do STF, mandou o ex-tesoureiro do PT de volta para o regime fechado, passando por cima da suprema corte; o motivo: uma feijoada não comprovada. Ele ainda abriu nova investigação contra Dirceu, porque ele recebeu a visita de um dos chefes da Defensoria Pública da União, Heverton Gisclan Silva, no Complexo Penitenciário da Papuda, no último 6 de janeiro, uma segunda-feira, dia em que não são previstas visitas.
A Veja cita a série de incoerências do caso como conquistas do que chama de o “Bloco dos Mensaleiros”: “O partido ainda festeja, com ares de ironia, a possibilidade de conquistar mais quatro anos de mandato na Presidência. Quanto rio e quanta alegria entra a companheirada. Neste carnaval é desnecessário dizer quem, como sempre, fara o papel dos mil palhaços no salão”, ironiza.

247 BRASIL
###
                                       Publicidade

Sem comentários:

Enviar um comentário