14.12.14

Marina diz que pagou 'preço alto' por ter divulgado programa de governo

Ela ironizou fato de Dilma estar adotando medidas que criticou na eleição.


Derrotada no primeiro turno da eleição presidencial deste ano, a ex-senadora Marina Silva (PSB-AC) afirmou, em sua primeira entrevista exclusiva após o encerramento da disputa pelo Palácio do Planalto, que pagou um "preço muito alto" por ter divulgado com antecedência seu programa de governo. Sem citar nomes, a ex-ministra do Meio Ambiente disse ao programa Roberto D'Avila, da GloboNews, que seus adversários usaram as propostas apresentadas pela campanha do PSB para desconstruir sua candidatura.

"Eu e o Eduardo [Campos, ex-governador de Pernambuco que morreu durante a disputa pela Presidência] fizemos uma escolha quando nos unimos: de que nossa aliança seria programática. [...] A escolha pelo programa era exatamente para que pudéssemos debater com os brasileiros e as brasileiras aquilo que, de fato, pode fazer a diferença na vida do nosso país. Essa escolha nos custou um preço muito alto, que foi exatamente o preço da deconstrução, por termos a coragem de dizermos o que iríamos fazer para o país", desabafou Marina ao jornalista Roberto D'Avila.

Apesar de ter sido derrotada pela segunda vez consecutiva na eleição presidencial, a ex-senadora assegurou que a experiência foi positiva. Ela disse que se sente "agradecida" por ter recebido o voto de cerca de 22 milhões de brasileiros no primeiro turno.
"Mesmo assim, me sinto agradecida por ter debatido e mais 22 milhões de brasileiros terem acreditado que é possível fazer política de uma forma diferente, falando a verdade, respeitando os adversários e, ao mesmo tempo, debatendo no mérito as questões que são relevantes para o país", complementou.
Indagada sobre se ficou decepcionada com os ataques que sofreu durante a campanha eleitoral de antigos colegas do PT – entre os quais o ex-presidente Luiz Inácio Lula da SIlva –, Marina não quis comentar nominalmente a postura dos petistas. Ela se limitou a dizer que esta foi "uma campanha difícil".
De acordo com a candidata derrotada do PSB, as críticas que ela foi alvo em meio ao processo eleitoral tentaram muito mais desconstruir sua imagem do que pontuar uma divergência de mérito. "Tanto que muitas das coisas que nós defendíamos agora estão sendo feitas", ironizou a ex-senadora, referindo-se às medidas que estão sendo elaboradas pela nova equipe econômica da presidente Dilma Rousseff para ajustar as contas públicas.
"A questão é que fizemos uma escolha: não queríamos fazer um discurso na hora de ganhar e uma outra coisa na hora de governar. é preciso que o país, cada vez mais, possa entender que as lideranças políticas têm de participar das campanhas políticas falando a verdade. e falar a verdade tem um preço", enfatizou.
Estruturas faraônicas'
Ao longo da entrevista, Marina Silva também foi questionada sobre se concordava com a opinião do senador Aécio Neves (MG), candidato derrotado do PSDB na corrida pelo Planalto, de que ele não perdeu a eleição para um “partido político”, e sim para uma “organização criminosa que se instalou no seio de algumas empresas brasileiras patrocinadas por esse grupo político que aí está”.
A ex-ministra do Meio Ambiente preferiu não comentar diretamente a declaração de seu adversário na eleição presidencial. Ao analisar o atual quadro político do país, ela observou que, na visão dela, as pessoas não querem mais discutir propostas, mas estratégias para "manter o poder ou para ganhar o poder".
"Usando marketing, usando estruturas faraônicas de recursos, fazendo negociatas políticas em troca de pedaços do Estado, de ministério, por tempo de televisão. Tanto que nós tínhamos 2 minutos [na propaganda eleitoral], e a presidente Dilma tinha 12 minutos", contextualizou Marina.
"Esse processo tem empobrecido a nossa democracia. Lutas pela democracia não é uma questão de apenas conquistá-la, mas de o que fazer com a democracia", concluiu. 
Fonte: G1

Sem comentários:

Enviar um comentário