29.8.15

Aécio: Lula escancara fragilidade de Dilma ao admitir candidatura em 2018

Em entrevista a rádios, presidente do PSDB afirma que partido não tem de se preocupar com quem será o próximo candidato do governo ou do "petismo" ao Planalto. Para ele, declaração de ex-presidente três anos antes da disputa expõe vulnerabilidade do atual governo

Foto: Reprodução
O presidente do PSDB, senador Aécio Neves (MG), declarou que seu partido “não tem que se preocupar” com a escolha de quem será o candidato petista ao Planalto em 2018. Para ele, ao anunciar agora que está disposto a concorrer novamente à Presidência da República, Lula expõe Dilma. “Lula colocar seu nome, menos de um ano do segundo mandato da presidente Dilma, só escancara a fragilidade desse governo”, disse o senador mineiro à Rádio Itatiaia. O comentário vem em resposta à declaração feita na sexta-feira dia 28 de agosto, pelo ex-presidente de que, “se for necessário“, será candidato para evitar que a oposição chegue ao poder.
“Lamentavelmente, o governo do PT colocou o Brasil na maior e mais grave crise da sua história, com recessão, inflação, e o que é mais grave, a perda de esperança e de expectativas em relação ao futuro. O PSDB e as oposições continuarão firmes defendendo a população brasileira dos desmandos do PT”, atacou o tucano.
Em outra entrevista, à Rádio Gaúcha, o senador disse não se surpreender com a declaração de Lula. “É um direito que o ex-presidente tem e, para nós da oposição, não é nada surpreendente. O que tenho dito é que não temos que nos preocupar com quem será o candidato do governo ou do petismo, por mais fragilizado que se acredita que chegarão”, declarou.
Aécio também afirmou que o PSDB deve continuar criticando e denunciando ações do governo e demonstrar que o partido está preparado para dar uma injeção de ânimo na economia do país.
Ainda nessa sexta-feira, o presidente do PT, Rui Falcão, disse que a eventual candidatura de Lula é um desejo forte da militância petista. Mas que a decisão sobre o nome do partido para 2018 só ocorrerá no ano da eleição. “Lula tem dito duas coisas: não quero ser como o Schumacher (piloto de F1), fez o que tinha de fazer, voltou e não teve uma pole position. E a outra é: se ficarem me enchendo o saco, eu volto”, declarou Falcão ao jornal O Globo.
Pesquisa nacional divulgada ontem pelo instituto Paraná Pesquisas aponta que, se a eleição fosse hoje, Lula correria sério risco de ficar fora da disputa em segundo turno. O levantamento também mostra Aécio como o tucano com mais chance de vitória. (O Imparcial)

Sem comentários:

Enviar um comentário