25.8.15

Trinta anos negando

Não, não, não
Negar, negar e negar é um mantra enraizado na alma de Eduardo Cunha. Não é novidade dos tempos de Lava-Jato, tampouco algo que ele aprendeu no escândalo da Companhia Estadual de Habitação do Rio de Janeiro (leia mais aqui).
Em 1992, ao ser descoberto o esquema PC Farias, disse Cunha:
- Eu não era do esquema A, B ou C. A relação que eu tinha com Paulo César Farias na campanha era a mesma que todo o pessoal da campanha tinha.
Antes, quando ele presidia a Telerj e foram apontados pela imprensa vícios favorecendo uma empresa no edital para produção e impressão das listas telefônicas do Rio de Janeiro, disse Cunha:
- O edital não favorece nenhuma empresa.
Em 2000, pouco antes de cair da presidência da Cehab, em meio a denúncias, disse Cunha:
- Estou sendo vítima de uma campanha difamatória.
Em 2007, ao ser acusado de envolvimento com a máfia de fiscais no Rio de Janeiro, disse Cunha:
- Se provarem qualquer coisa contra mim, renuncio ao meu mandato.
Ao ser acusado em 2013 pelo então procurador-geral da República Roberto Gurgel de falsificar documentos para se defender num processo, disse Cunha:
- Eu usei o documento que me foi fornecido. Não sabia que era falso.
Até hoje, as negativas deram certo. Cunha nunca foi condenado a nada de que o acusaram. Como será na Lava-Jato?
Com informações de Lauro Jardim

Sem comentários:

Enviar um comentário