14.3.16

DILMA TEME NOMEAR LULA E COMETER OBSTRUÇÃO DA JUSTIÇA

Charge do Jota A., reprodução do Portal O Dia
Gustavo Uribe e Valdo Cruz
Em reação ao poder de mobilização dos protestos favoráveis ao impeachment deste domingo (13), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva decidiu viajar na noite de terça-feira (15) a Brasília para discutir com a presidente Dilma Rousseff a possibilidade de nomeação para um cargo na Esplanada dos Ministérios.
A decisão foi informada nesta segunda-feira (14) a ministros e a auxiliares da petista, que têm feito pressão sobre o petista para que ele aceite convite da presidente e ajude o governo federal a evitar uma debandada de partidos da base aliada no Congresso Nacional.
Na semana passada, o petista avisou ao Palácio do Planalto que não aceitaria uma pasta até decisão da Justiça de São Paulo sobre pedido de prisão preventiva. A decisão foi tomada em uma tentativa de evitar passar a mensagem de que ele aceitaria o cargo para não ser preso.
OBSTRUÇÃO DA JUSTIÇA
Segundo um aliado próximo do petista, Lula está “com muita vontade de aceitar uma pasta”, mas uma questão ainda o preocupa. O petista teme que a presidente seja acusada de tentativa de obstrução jurídica ao permitir que ele tenha foro privilegiado com a possibilidade de prisão preventiva.
Para acabar com essa dúvida, os advogados do petistas foram acionadas para avaliar essa questão. Segundo a Folha apurou, o Palácio do Planalto também tem avaliado esse eventual impedimento.
“Ou ele assume uma pasta ou ela sofre um impeachment”, avaliou o aliado do petista.
NAS MÃOS DE MORO
Com a decisão da juíza Maria Priscilla Veiga Oliveira de transferir o caso ao juiz Sergio Moro, a avaliação entre ministros e petistas é de que a juíza “amarelou” e de que o petista não pode esperar a decisão do juiz da Operação Lava Jato.
O caso irá da 4ª Vara Criminal da capital paulista à 13ª Vara Federal de Curitiba (PR), onde tramita a Lava Jato.
De acordo com a decisão, as acusações da Promotoria de São Paulo de que Lula teria cometido crimes de lavagem de dinheiro visam “trazer para o âmbito estadual algo que já é objeto de apuração e processamento pelo Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR) e pelo Ministério Público Federal”.
Em três trechos da decisão, a juíza afirma que a promotoria de São Paulo não apontou a origem da lavagem de dinheiro, ou seja, não explicou qual o crime antecedente que acumulou o dinheiro a ser lavado. As explicações que faltam, diz a juíza, correm na Lava Jato.
###
NOTA DA REDAÇÃO DO BLOG – 
No caso da presidente Dilma, ao nomear Lula para o ministério, ela pode escolher em que crime se insere. Se em Fraude processual (Art. 347 – Inovar artificiosamente, na pendência de processo civil ou administrativo, o estado de lugar, de coisa ou de pessoa, com o fim de induzir a erro o juiz ou o perito) ou em Favorecimento pessoal (Art. 348 – Auxiliar a subtrair-se à ação de autoridade pública autor de crime a que é cominada pena de reclusão). Como dizia aquele antigo programa da TV Globo, você decide. (C.N.) - Tribuna da Internet

Sem comentários:

Enviar um comentário